Meu Perfil
BRASIL, Sudeste, SAO PAULO, HORTO FLORESTAL, Mulher, de 36 a 45 anos, Portuguese, Spanish, Arte e cultura, Cinema e vídeo



Histórico
 23/04/2006 a 29/04/2006
 16/04/2006 a 22/04/2006
 09/04/2006 a 15/04/2006
 02/04/2006 a 08/04/2006
 26/03/2006 a 01/04/2006
 19/03/2006 a 25/03/2006
 12/03/2006 a 18/03/2006
 26/02/2006 a 04/03/2006
 19/02/2006 a 25/02/2006
 18/12/2005 a 24/12/2005
 11/12/2005 a 17/12/2005
 04/12/2005 a 10/12/2005
 27/11/2005 a 03/12/2005
 20/11/2005 a 26/11/2005
 13/11/2005 a 19/11/2005
 06/11/2005 a 12/11/2005
 30/10/2005 a 05/11/2005
 23/10/2005 a 29/10/2005
 09/10/2005 a 15/10/2005
 03/07/2005 a 09/07/2005
 12/06/2005 a 18/06/2005
 29/05/2005 a 04/06/2005
 22/05/2005 a 28/05/2005
 15/05/2005 a 21/05/2005
 17/04/2005 a 23/04/2005
 20/02/2005 a 26/02/2005
 06/02/2005 a 12/02/2005
 30/01/2005 a 05/02/2005
 16/01/2005 a 22/01/2005
 09/01/2005 a 15/01/2005
 02/01/2005 a 08/01/2005
 26/12/2004 a 01/01/2005


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 Country Craft
 Site da Vivi
 Blog da Deli
 Blog da Sandrinha Guru
 Bruxinha Denise
 Claudia André


Arte e Manhas da Tia Lili
 

Craquelê Transparente

Esse tipo de craquelê deve ser feito quando a peça já estiver pronta. Existem várias marcas de vernizes que craquelam no mercado, mas cuidado... para o processo a seguir, são vendidos em jogos com dois frascos ou, se for da Gato Preto, usando-se o Verniz Mordente e o Verniz Craquelê. Algumas marcas possuem ainda um verniz craquelê que é vendido separadamente, mas que é usado no lugar da cola branca, na técnica explicada anteriormente e produz aquele mesmo efeito.

Pinte toda a peça e faça o processo quando estiver na hora de envernizar. Assim:

Passe uma demão do Verniz n° 1 ou do Verniz Mordente da Gato. Aguarde que seque ou acelere com o secador. Para testar se já está seco, toque levemente com as pontas dos dedos. Se estiver "colando" já está pronto. Quando está molhado ele não fica "peguento", só quando seca. Passe mais uma demão do mesmo verniz e seque da mesma forma.

Pase uma demão generosa do segundo verniz ou do Verniz Craquelê da Gato. Dependendo do tamanho do pincel e da forma que aplicar o verniz, ele vai craquelar grande ou pequeno. Eu gosto de usar um pincel bem largo (sempre de pelo macio). Aguarde que seque ou acelere com o secador.

Pronto? Não... Para que possa visualizar as rachaduras, você tem que aplicar uma pátina com purpurina. Use um pincel bem largo, macio e muito bem seco. "Molhe" o pincel na purpurina e bata no cabo sobre a superfície (como quem bate no cigarro para fazer cair as cinzas). Depois espalhe com extrema leveza, com o mesmo pincel, "varrendo" a purpurina para que se espalhe e possa aderir nas rachaduras.

Todo processo de craquelamento, é como gordo sobre magro, ou seja, como óleo em água, que não se mistura, mas se aglutina, formando bolhas. Quando o segundo verniz reage com o primeiro, ele se aglutina e produz as rachaduras, fazendo com que nelas apareçam o vernizanterior, que é colante e portanto vai capturar as partículas da purpurina.

Também podemos substituir a purpurina por betume, mas é um processo mais difícil que requer muita prática. Quando usamos a purpurina, o aspecto é mais clássico, portanto há que se combinar com um trabalho que tenha o mesmo estilo. Fica maravilhoso, por exemplo, sobre baur, hindeloopen ou outro estilo do gênero e também sobre decoupage ou mesmo superfícies lisas, mas fica melhor sobre fundos escuros ou que pelo menos contrastem com o dourado (amarelo nem pensar).

Beijocas douradas

Eliana

Eliana Zerbinatti - Artista Plástica e Quilter  - 55 11 6232-8688

 



Escrito por Eliana Zerbinatti às 23h55
[] [envie esta mensagem]



Patchwork e Quilting

As aulas de Patchwork e quilting são a coisa mais deliciosa que existe. As razões são muitas, mas creio que a principal é mesmo essa atmosfera de resgate ao passado e às tradicões que aflora assim que tomamos conhecimento da arte em si mas também das histórias que vêm junto com ela. Cada novo projeto ou técnica vem sempre com alguma referência a nossa própria história, à coisas da nossa infância que julgavamos perdidas ou que estavam esquecidas, amareladas nas gavetas da nossa imaginação...

Aprendemos ainda a valorizar os detalhes e que não é brega costurar paninhos e ficar com a roupa cheia de fiapos de linha (ostentados com orgulho, agora), falar de máquinas de costura e guardar botõeszinhos, pedaçinhos de renda e aprender a usar dedal. E que delícia quiltar à mão, tingir paninhos e por vezes manchá-los no forno para depois bordar (a hora mais gostosa do dia é aquela que passamos com o bastidor no colo, rodeadas de linhas coloridas e almofadinhas com muitas agulhas e alfinetes).

Poder mostrar esse maravilhoso vellho mundo (mas novo sempre) às pessoas e ver a expressão de felicidade estampada em seus rostos é algo indescritível. A alegria com que colecionam paninhos e a vontade de querer conhecer sempre mais são insipiração constante. É igualmente prazeroso vê-las cheias de projetos, planejando quais serão os próximos trabalhos e futuras viagens à feiras e exposições.

Uma festa todos os dias. É isso! Uma festa rodeada de amigas queridas, com a mesma vontade de aprender, de criar trabalhos caprichosos e belos. E as delícias que trazem então? É difícil manter a linha com tantos bolos e deliciosas receitas, que claro, todas compartilham com prazer.

Meu Deus! Obrigada por me proporcionar dias tão maravilhosos e por me deixar conviver com pessoas tão lindas. E obrigada por ter me mostrado esse mundo tão especial.

Eliana

Eliana Zerbinatti - Artista Plástica e Quilter  - 55 11 6232-8688

 

Existem apenas duas maneiras de ver a vida. Uma é pensar que não existem milagres e a outra é que tudo é um milagre.

Albert Einstein



Escrito por Eliana Zerbinatti às 10h35
[] [envie esta mensagem]




[ ver mensagens anteriores ]